sexta-feira, 19 de abril de 2013

Superintendência de Uberlândia orienta proibir 1/3 de atividades extraclasse nas “janelas”, mas não tem argumentos legais.

Na luta contra a descaracterização da aplicação de 1/3 das atividades extraclasses, a direção do Sind-UTE Uberlândia solicitou orientação por escrito do atual Superintendente Regional de Ensino de Uberlândia, exigindo que se parasse de usar a inspeção escolar para proibir atividades extraclasses nas “janelas”. Como era de se esperar dos gestores coadunados com o governo Anastasia/Aécio Neves, que investem na política da imposição, ao invés de investir na política do diálogo, nossa reivindicação não foi atendida.
Ao responder, por escrito, esse questionamento do Sind-UTE Uberlândia, a Superintendência ordena nada mais, nada menos do que o descumprimento da lei. Por que afirmamos isso? Vejamos.
O que diz a lei, em relação ao tempo de atividade extraclasse?
"Art. 1º A carga horária semanal de trabalho correspondente a um cargo de Professor de Educação Básica com jornada de vinte e quatro horas compreende: I- dezesseis horas semanais destinadas à docência; II- oito horas semanais destinadas a atividades extraclasse, observada a seguinte distribuição: a) quatro horas semanais em local de livre escolha do professor; b) quatro horas semanais na própria escola ou em local definido pela direção da escola, sendo até duas horas semanais dedicadas a reuniões. (...) § 4º As atividades extraclasse a que se refere o inciso II compreendem atividades de capacitação, planejamento, avaliação e reuniões, bem como outras atribuições específicas do cargo que não configurem o exercício da docência, sendo vedada a utilização dessa parcela da carga horária para substituição eventual de professores."
O que ordenou a Superintendência?
"A direção da Escola deve evitar que o professor concretize sua carga horária de atividades extraclasse nas “janelas”, ou seja, no período que o professor permanece na escola entre uma aula e outra e não está lecionando, pois não é permitido equiparar o tempo do módulo-aula de 50 min com a previsão legal de hora relógio para as atividades extraclasse, independetemente do nível ou modalidade de ensino da Educação Básica que atue."
O que cobrou o Sind-UTE em documento escrito?
"Que as janelas (intervalos vagos de uma aula a outra) sejam computadas como atividades extraclasses exigidas na lei, espaço em que o docente poderá exercer atividades de estudo, preparação de aula, planejamento, reuniões com especialistas, dentre outros que não configurem docência. Caso diretores e inspetores insistam e não aceitem que as atividades extraclasses sejam cumpridas também nas janelas, que os horários das escolas sejam feitos de forma que não haja janelas."
Ora, por que a Superintendência Regional de Ensino de Uberlândia, a mando do governo estadual, quer proibir atividades extraclasses nas “janelas”, se a lei maior não o proíbe? O argumento usado pela Superintendência Regional de Ensino de Uberlândia, orientando a proibição de atividades extraclasses nas “janelas”, é uma deturpação grosseira da lei. Segundo a lei, no que se refere ao tempo a ser cumprido na escola, diz-se apenas que a atividade extraclasse deve ser cumprida com: “b) quatro horas semanais na própria escola ou em local definido pela direção da escola, sendo até duas horas semanais dedicadas a reuniões”. Nem uma vírgula a mais, nem uma vírgula a menos, esta é a lei. Ou seja, das quatro horas legais a serem cumpridas na escola, duas horas são para reuniões semanais, por conseguinte, nada impede que os 50 minutos de cada janela possam, sim, ser subtraídos do restante dos 120 minutos (2 horas) a serem cumpridas na escola em atividades de estudo, preparação de aula, etc. Só mesmo a ideologia deliberada de querer castigar o trabalhador não faz essa continha matemática tão simples.
Pergunta: fazer o trabalhador ficar mais tempo no trabalho do que o previsto em lei é ou não é uma ilegalidade, é ou não é um castigo, é ou não é uma deturpação com fins opressivos? Será que esses dirigentes do Estado de Minas Gerais ainda não aprenderam que o tempo da escravidão acabou? Ou querem nos colocar no tronco e nos chicotear, porque, nós, trabalhadores em educação, conquistamos, legalmente, o direito de 1/3 de atividades extraclasse? Castigando-se o trabalhador em educação obter-se-ão melhores resultados no processo educacional?
Ora, o que esses gestores públicos lamentavelmente não sabem e não aprenderam é que educação se faz com paixão, com liberdade, com tempo livre para pensar, com diálogo e não com a ideologia do castigo. Nós, profissionais da educação, devemos nos indignar contra essa política que não cumpre as leis, quando se trata de propiciar mais tempo livre para os educadores.
Dia 23, 24 e 25 de abril temos de parar todas as escolas mineiras e dar uma resposta política contra essas arbitrariedades deturpadoras. Nós, do Sind-UTE Uberlândia, vamos continuar travando a batalha política e jurídica para que, no caso de 1/3 de atividades extraclasses, se cumpra tão somente a lei. Não podemos aceitar as ordens daqueles que querem nos fazer engolir ilegalidades como se fossem legais. Abaixo a opressão aos educadores de Uberlândia e Minas Gerais! Que as “janelas” sejam computadas como atividades extraclasses!
Por: Gílber Martins Duarte

Um comentário:

Valdecy Alves disse...

ABAIXO O PISO PIRATA DO MEC! AJUIZADA AÇÃO JUNTO AO STF PARA O MEC COMPLEMENTAR O VALOR DO PISO CONFORME A FÓRMULA DO ARTIGO 5º DA LEI DO PISO – CERCA DE 100 PROFESSORES DE VÁRIOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS SÃO AUTORES DA RECLAMAÇÃO Nº 16013 – CONCLUSA PARA DESPACHO DO MINISTRO JOAQUIM BARBOSA A ESPERANÇA ESTÁ VIVA PORQUE A ESPERANÇA ESTÁ EM LUTAR - Matéria completa em: http://valdecyalves.blogspot.com.br/2013/07/abaixo-o-piso-pirata-do-mec-ajuizada.html