sexta-feira, 9 de julho de 2010

O Diário da Classe e as eleições 2010

Apoiamos a chapa do Partido Comunista Brasileiro (PCB) por reconhecer neste partido uma alternativa viável de transformação da realidade, onde homens, mulheres e crianças, os verdadeiros construtores da riqueza humana em todos os seus níveis, sejam a absoluta prioridade da finalidade da sociedade brasileira.

Não à toa, os candidatos do PCB em Minas Gerais são em sua maioria professores, ativistas das lutas políticas, econômicas e educacionais, presentes nas escolas públicas da capital e do interior.

O Diário da Classe dará início a uma série apresentando aos seus leitores esses companheiros de luta.

Hasta la victoria, siempre!

IVAN PINHEIRO - PRESIDENTE 21
EDMILSON COSTA - VICE-PRESIDENTE


O Partido Comunista Brasileiro (PCB), a legenda mais antiga do país, fundada em 25 de março de 1922, lançou o secretário-geral da agremiação, o advogado Ivan Pinheiro, como candidato a Presidente da República.

O candidato a vice-presidente na chapa comunista será o economista Edmilson Costa e a legenda planeja lançar candidaturas majoritárias próprias em todos os Estados da Federação, “exceto naqueles em que se celebraram coligações no âmbito regional com partidos da esquerda socialista”.

A celebração desta camapanha-movimento será uma importante sinalização para o conjunto da esquerda socialista, no sentido de suscitar um relacionamento político favorável à unidade de ação nas duras batalhas anticapitalistas e antiimperialistas, cada vez mais duras e complexas, em função da crise sistêmica do capital”, acrescentou o PCB.

De nossa parte, faremos de nossa campanha própria uma tribuna que ajude a criar as condições para a unidade de ação no campo da esquerda socialista e, sobretudo, para a constituição de uma frente ampla e permanente em oposição à ordem burguesa, para além dessas e de outras eleições. Aos militantes e simpatizantes do PCB, conclamamos a darmos o melhor dos nossos esforços para fazer com que o saldo desta nossa campanha própria acumule forças na perspectiva da revolução socialista”, conclui a nota.


 

Nenhum comentário: