quinta-feira, 5 de março de 2009

OS MOVIMENTOS SOCIAIS DE BH, A CRISE ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS DA CLASSE TRABALHADORA


No dia 28 de fevereiro reuniram-se no Sind-Rede/BH 20 entidades e 54 dirigentes, para debater o processo de unidade do movimento social e sindical para a execução de uma jornada de luta que deverá culminar com grande ato no 1º de maio.
O seminário discutiu unanimemente a importância de pavimentarmos a unidade a partir da construção de um calendário de atividades das quais haverá um esforço de participação do conjunto das entidades presentes a fim de acumularmos força na perspectiva de massificação da luta.
Reestatização da VALE
Pela autodeterminação dos povos, contra as guerras imperialistas
Pela solidariedade latino americana
Campanha da redução e isenção da energia para famílias de baixa renda
Campanha do Pré Sal. O petróleo tem que ser nosso.
Contra as demissões e o desemprego

Calendário comum de lutas:
Dia 06 de março – ato unitário dos movimentos feministas e movimento social da grande BH, contra a crise, o desemprego e a violência. Praça 7 a partir das 14 horas.
Dia 08 de março – dia internacional de lutas da mulheres.
Dia 01 de Abril - Ato contra o desemprego e o fechamento da NOVELIS (ex ALCAN) na cidade de Ouro Preto.
Dia 21 de abril – Ato em são João Del Rei e Ouro Preto.
Dia 1º de maio – Dia Internacional de Luta dos Trabalhadores. Ato unificado em BH.
Semana de 1º a 5 de junho – Semana de luta contra a crise capitalista. Lutas unificadas greve geral e as alternativas dos movimentos populares.
Semana do 7 de setembro. Grito dos excluídos
MOÇÃO

A crise sistêmica e estrutural do capitalismo avança no Brasil. Trabalhadores e suas organizações serão permanentemente atacados pelas classes dominantes. O desemprego é a face mais cruel e perversa, nesse momento, da crise.
Neste horizonte a luta pela Reforma Agrária torna-se uma alternativa concreta e indispensável para busca de soluções para os trabalhadores, fundamentalmente num país de latifúndios.
É neste contexto que o MST e os movimentos sociais de luta pela terra são profundamente atacados. É inadmissível que o Presidente do STF Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, destile seu ódio de classe, de forma irresponsável ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem terra - MST.
O movimento sindical e popular reunido em Belo Horizonte repudia a atitude do Ministro Gilmar Mendes, do Presidente do Senado José Sarney e da mídia conservadora a serviço do latifúndio e nos solidarizamos com a luta dos trabalhadores, pela Reforma Agrária e a defesa de sua legítimas organizações.

Belo Horizonte, 01 de março de 2009

Central dos Trabalhadores do Brasil
Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de Minas Gerais
Sindicato dos Trabalhadores em Indústrias Gráficas
Sindicato dos Trabalhadores da ECT
Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de MG
Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Belo Horizonte
INTERSINDICAL MG
Fórum Social Mundial Minas Gerais
CONLUTAS
Unsp MG
Consulta Popular
Assembléia Popular
Marcha Mundial de Mulheres
Movimento dos Trabalhadores Desempregados
Movimento dos Atingidos por Barragens
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
Partido Comunista Brasileiro
Partido Socialismo e Liberdade
Partido Democrático Trabalhista
Partido Comunista Revolucionário

Nenhum comentário: